sexta-feira, 28 de setembro de 2012

A IMPORTÂNCIA DOS JOGOS NA APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA


Por Maria das Graças Silva Santos
Em 17 de Novembro de 2009

 
RESUMO: O objetivo deste artigo é destacar que em muitos momentos de brincadeiras surpreendemos as crianças desafiando uma as outras através de jogos: No ato de brincar os sinais, os gestos, os objetos e os espaços valem e significam outra coisa daquilo que apresentar ser, ao jogar as crianças recriam e repensam os acontecimentos que Ihes deram origem, sabendo que estão brincando. O lúdico manifesta-se na matemática de uma maneira muito intensa e é preciso que o professor tenha clareza para perceber que nos jogos as crianças recriam e estabilizam aquilo que sabem sobre as mais diversas esferas do conhecimento, em uma atividade espontânea e imaginativa por isso o professor deve dar mais espaço para o aluno e deixar de lado o tradicionalismo. Porém nos últimos tempos o jogo tornou-se objeto de interesse dos profissionais da educação, partindo da concepção da qual o jogo favorece a auto­estima da criança, auxiliando-as a superar progressivamente suas aquisições de .. Forma criativa, proporcionando condições para a aprendizagem do ensino da Matemática. PALAVRAS –CHAVE: Jogar, Eleva, Conhecimento   INTRODUÇÃOA matemática para muitos, é tudo como cansativo, chata e .desprazerosa, pois toda a atividade realizada no caderno não apresenta nenhum contato lúdico, assim o conteúdo não desperta nenhum interesse e prazer, levando o aluno a não apresentar a qualquer interesse o prazer com a matemática. Ainda muitos professores que não dão importância aos jogos, pois não tem clareza que as atividades lúdicas não são apenas para preenchimento de espaços livres e perca de tempo.  Para que as crianças possam exercer sua capacidade de criar é imprescindível que haja riqueza e diversidade nas experiências que são oferecidas nas instituições, sejam elas mais voltadas aos jogos ou as aprendizagens que ocorrem por meio de uma intervenção direta. Assim os jogos podem ser empregados de maneira construtiva possibilitando resolver as dificuldades especificas dos alunos também irão proporcionar ajuda para remover barreiras existentes entre os indivíduos.  O primeiro ponto se concentra na construção da aritmética pela criança, enquanto o segundo dá ênfase a um contexto mais amplo, no qual aritmética (assim como outros assuntos) é aprendida com significado. Essas oportunidades são perdidas quando os problemas são estruturados para elas. Folhas de exercícios apresentam problemas pouco originais, bem organizados e numa forma pura. O professor explica para os alunos quais são os problemas e se acha responsável por ensinar a eles como os resolves. Folhas de exercícios incentivam obediência, passividade, e aplicações mecânica de técnicas. Por isso o seu uso reforça a heterônoma natural da criança de tal modo que relata o desenvolvimento da sua autonomia. A matemática, assim como a literatura, a música, os esportes e a ciência é um produto cultural e uma atividade culturalmente definida. As fronteiras do que é matemática e do que não é matemática também são culturalmente definidas. Crescendo em uma sociedade ocidental, aprendemos mais sobre esta definição social. A seguir, estão algumas crianças que se tornaram parte de como as pessoas na nossa sociedade vêem a matemática. ·         A matemática é um tipo especial de atividade  qualquer outra atividade, por definição, não é matemática: ·         A matemática é aprendida na escola conseqüentemente, as pessoas que foram à escola não sabem matemática. ·         Matemática é algo que exige qualificações se você não tem qualificações você não pode saber muita matemática. ·         A matemática é abstrata e não se refere ao mundo cotidiano, portanto você não aprende sobre matemática cotidiana.

 • A matemática é difícil; pouca pessoa obtém qualificações em matemática isso significa que poucas pessoas sabem matemática. ·          A matemática é usada por matemáticos, alguns cientistas e algumas pessoas de nível superiores altamente qualificadas (em sua maioria homens!) e estas são as pessoas que sabem matemáticas. É verdade que a matemática é um tipo especial de atividade socialmente definida assim como vender, e comprar, jogar dados e construir casa. É por isso que pensamos nestas atividades posteriores como "não matemática". A matemática não é simplesmente uma disciplina, mas também uma forma de pensar. É por isso que a matemática, assim como a alfabetização, é algo que deveria ser tornado disponível para todos. A idéia é  que, a medida que as crianças crescem, não apenas seus conceitos matemáticos Se desenvolvem, mas também seu conceito do que é matemática. A compreensão das crianças do que é matemática exerce um efeito maior sobre como elas resolvem problemas. Há agora evidências esmagadoras de que a definição social da situação na qual a criança recebe um problema exerce um efeito considerável sobre o modo como ela tenta resolvê-Io. Ter clareza de suas próprias concepções sobre matemática, uma vez que a prática em sala de aula, as escolhas pedagógicas, a definição de objetivos e conteúdos de ensino e as formas de avaliação estão intimamente ligadas a essas concepções. Os jogos na matemática assumem o papel importante, porque a criança envolve ao fazê-Ia e propicia a aprendizagem naturalmente, sem ter que ficar decorando coisas que não entendem o que torna uma aula cansativa, tanto para o professor que não vê o seu trabalho render, como para o aluno que acaba cansando e detestando a disciplina. REFERÊNCIAS
ANTUNES, Celso. Jogos para a Estimulação das Múltiplas Inteligências. 58. Ed. Petrópolis, RJ. Vozes, 1998.
BRASIL, Parâmetros Curriculares Nacionais. Brasília, MECI SEF, 1997.
CARRAHER, David e Schliemann, Ana Lúcia. Na vida dez, na escola Zero. São Paulo, Ed. Cortez, 1998.

Lisiane Bender

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário